Os Dançarinos

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Admirável Mundo Novo


Ninguém me contou, aconteceu comigo!

Noutro dia simplesmente recebi um email com um texto meu. Um texto em forma de diálogo que foi escrito e publicado neste blog que você lê no dia 26/02/2010 com o título de "Semântica".

Seria uma situação engraçada se, no email em questão, a autoria do texto não estivesse atribuída ao Caio Fernando Abreu.

Bem, devo confessar que primeiro senti uma certa pontada de orgulho/vaidade ao me ver confundido/comparado ao grande Caio que tanto admiro, e resolvi pesquisar no Grande Oráculo. Digitei  o título do email (Só sei que nós nos amamos muito de Caio Fernando Abreu) e aí foi um espanto. A página mostrava 35.900 resultados. O orgulho deu lugar à preocupação. Cliquei no primeiro resultado e lá estava meu texto com meu nome no final. Ufa... Cliquei no segundo e lá estava o meu texto atribuído ao C.F.A.. Pensei em deixar um comentário reivindicando a autoria daquele texto, mas logo percebi que aquele 'post' era um reblogue, que já tinha sido reblogado e reblogado por centenas de outros blogues. Cliquei em mais alguns resultados e percebi o mesmo. Não havia o que fazer. A ficha finalmente caiu e senti uma grande tristeza.

Sei que a questão autoral é cada vez mais vilipendiada neste mundo digital. O fato de eu não receber o devido dinheiro pelas minhas criações, tanto literárias quanto musicais, já passa há tempos por um processo de absorção e conformidade forçada. Mas o mínimo que minha ingenuidade proxyana espera(va) é(ra) receber pelo menos o crédito por aquilo que eu criei. E quando nem sua expectativa mais baixa consegue ser alcançada, fica um vazio.

Este episódio só veio corroborar uma ideia que, cada vez mais, amadurece em mim: a iminente e inevitável morte do autor.

E olha que a maioria dos meus amigos me considera um otimista.

O que eu vejo é que a depreciação da questão autoral já atinge os criadores, e cada vez vai se criar menos. Já podemos vislumbrar a pseudoarte do copiar e colar ganhando espaço no mundo dos bits. E a tendência é que essa ferramenta venha a dominar completamente o processo 'criativo'. E assim será, até chegar o dia em que os humanos não mais se preocuparão com esta tarefa menor, relegando-a às máquinas. Um pensamento assombroso, mesmo para um pessimista.

Só me resta dizer que tenho  a esperança de não estar mais neste planeta quando isso acontecer. E quem sabe um dia eu volte reencarnado como um 'John, o selvagem', admirando fragmentos perdidos de textos de Shakespeare, à margem, como sempre fui, deste admirável mundo novo.

21 comentários:

  1. Nesse mundo digital já não se sabe mais quem é o criador ou a criatura. É de se entristecer. Pensemos em dias melhores, Jan. Que venham!

    ResponderExcluir
  2. Caríssimo, um breve passeio por
    esta blogosfera e encontrarás
    dezenas de textos de Caio Fernando Abreu,
    Cecília Meireles, Clarice Lispector,
    Ana Cristina Cesar, entre outros, que não
    foram escritos por eles.

    ResponderExcluir
  3. Caramba Gian! Citar é uma coisa, usar o conteúdo de outra pessoa como sendo de si é sacanagem da grossa! O lado bom de ver o texto tão reblogado é o atestado da sua qualidade, mas não deixa de ser sacanagem...é isso, fiquei puto!

    []s

    ResponderExcluir
  4. É uma triste realidade, Gian... e a tendência é só piorar no ciberespaço!!

    ResponderExcluir
  5. Você, sempre me incitando a questionar o mundo. Não sei ainda se o autor morreu. Talvez a noção de autoria tenha mudado. Mas o fato de terem indicado outro nome assinando o texto demonstra que ainda precisamos dar uma identidade à criação. Sinto que estamos nos despedindo da noção romântica de autoria, aquela que surgiu na modernidade, mas ainda não sabemos o que está por vir. Estamos neste vácuo, no meio da ponte.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Gian!

    Faço ideia do teu espanto e tristeza...e decepção e tudo mais. É por essas e outras que procuro, do meu modo, incentivar os blogueiros que criam seus textos, que arriscam postar coisas de sua autoria mesmo que não se sintam preparados ou que as considerem de qualidade duvidosa porque, penso, essa seja a forma mais eficaz e produtiva de evitar situações constrangedoras como a que te aconteceu.

    Uma vez, logo que comecei a blogar, ainda participava de um fórum e tive o desprazer de ver um texto meu postado por uma usuária desse mesmo fórum, creditado a "autor desconhecido".

    Rs

    Respondi com o link do dito texto no meu blog, de 5 dias antes.

    Um beijo. Saudades de vir aqui. Tinha perdido teu link na mudança de layout, creio.

    ResponderExcluir
  7. Gian, compreendo sua revolta. É uma questão de justiça, e normalmente quando almas como as nossas são injustiçadas a sensação de vazio é grande. Mas apoiada na certeza de quem já viveu algumas injustiças e conhece esse caminho te afirmo: isso passa, e com o tempo, o justo volta mais forte ainda. Quando sofremos qualquer tipo de injustiça (Não interessa se intencional ou acidental) a sensação é de que a vida nunca mais voltara ao normal, que nunca mais veremos aquele pedaço que parece faltar e causar o vazio, mas com o tempo todo mal entendido é solucionado e toda injustiça perde a cor e só o que sobra são as pessoas que sempre tiveram retidão de caráter e justiça em seus atos. Isso passa, meu amigo, tenha certeza. Já temos razão para mais uma edição do “Caiu na Rede” da Cora Rónai.
    Bjão

    ResponderExcluir
  8. guian eu entendo a tua revolta e tristeza, é verdade existem milhares de texto hoje rodando na globoesfera como se fosse do Chico Buarque, ouvi o Chico falar que não desmente mais atribuições literárias a ele atribuídas, e eu já vi ate no youtube trabalhos meus em nome de outras pessoas.
    é muito chato, ter que ver, ouvir e ficar calada...pois a quem vamos reclamar, e como?
    abraços amigo, tenho certeza que tudo vai resolver-se.

    ResponderExcluir
  9. Acabo de descobrir seu Blog através do Blog En Leio, da Fátima, entrei e gostei... O que me atraiu foi o "Admirável Mundo Novo" de Huxley, um dos grandes autores da minha juventude.

    Há uma frase de uma música do Gil que diz assim: Amarre seu arado a uma estrela, já li um livro (esqueci o nome) onde esta frase é atribuída à Leonardo Da Vinci. Já lí textos que sinto não serem de Gabriel Garcia Marques, Luiz Fernando Veríssimo, poemas de pessoas que, na verdade, não são poetas, com idéias inteiras de Vinícius de Moraes, Cecília Meireles, etc. Pessoas que fazem postagens com textos e poemas de autores famosos e assumem a autoria, gente que faz a famosa "colcha de retalhos" e assume como autor ou colocam Maktub ou autor desconhecido.

    Não fique triste, você é apenas mais um que mesmo o seu texto tendo sido atribuido a um cara famoso, é seu e deveria ser respeitado.

    Um grande abraço e fique de olho...

    Abraços,

    Rita.

    http://fotolog.terra.com.br/mente1

    ResponderExcluir
  10. Infelizmente a gente só atenta mesmo para isso quando coisas desse tipo acontecem. Vejo direto pessoas utilizando frases, poesias de autores sem aspas, sem a autoria, e pode parecer um desleixo ou besteira, mas não é. Fica de olho, Alan, mas fica de olho mesmo! Estamos sujeitos a tudo na internet, tanto positivamente quanto negativamente.
    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Que espaço maravilhoso.
    Belos textos, e poesias.
    Lhe seguindo. Me faça uma visitinha!

    Um abraço, Dan.

    ResponderExcluir
  12. Morte do autor está próxima sim, e é de
    lamentar. A Net tem muita coisa de boa
    e muita que era perfeitamente dispensável.
    Bj.
    Irene

    ResponderExcluir
  13. dançar é bom demais e com palavras entao?

    ResponderExcluir
  14. Oi Gian, essa situação é lamentavel mesmo, ja fizeram algo parecido comigo, na cara de pau baixaram do youtube varios videos que eu postei cortaram o final onde tinha meus creditos e postaram novamente.
    Me senti sacaneada assim como vc tb.
    Mas se o autor da sua pessoa morrer vou sentir muita falta, porem é compreensivel...
    Beijo enorme!!!
    Te Adoro!
    Vivi

    ResponderExcluir
  15. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Viva e deixe viver. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. A ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS (Machado-MG) comunica que estão
    abertas as inscrições para o VIII Concurso Plínio Motta de Poesias, do
    ano 2011. As inscrições vão até o dia 21 de outubro de 2011.
    Entrem em contato para adquirir o Regulamento:
    a/c Carlos Roberto machadocultural@gmail.com
    ESTE CONCURSO ESTÁ ABERTO PARA TODOS!

    OBS: O VALOR DA INSCRIÇÃO ( 2 REAIS) PODE SER COLOCADO DENTRO DO ENVELOPE COM AS 6 CÓPIAS DA SUA POESIA.

    ResponderExcluir
  17. Gosto muito quando as pessoas citam Caio Fernando Abreu. Parabéns pelo texto

    ResponderExcluir
  18. Realmente manter um texto pela Net apenas
    com a designação do seu autor real é difícil.
    Lamento o que aconteceu ao seu texto.
    Um beijinho e bom fim de semana.
    Irene

    ResponderExcluir
  19. NÃO É digno, moral, educado, honesto, correto, decente, ético e sequer inteligente "roubar" autorias, pensamentos e/ou idéias.
    O que é bom, louvável e digno de reconhecimento já nasce pronto. Ser poeta e merecedor de aplausos, de fato, uma tarefa para poucos.
    Infelizmente o avanço tecnológico traz consigo o plágio (na íntegra ou na idéia) e a omissão da devida e merecida autoria de quem o fez. Atitude abominável, foi o que restou-me dizer.
    Encerro mencionando a saudade de estar por aqui.
    Com o mesmo carinho de sempre.
    Michele.

    ResponderExcluir
  20. Gian,
    Esse mundo, a palavra RESPEITO anda falhando.
    O que vc descreveu aqui, aconteceu esses dias com uma amiga minha, que de repente viu uma crônica dela publicada em uma revista em Curitiba.
    Eu posso imaginar sua dor. Pois percebi nela, a dor, e já descartei pessoas, coisa que me dói, pela falta de criatividade e copiar na cara de pau coisas minhas, até mesmo FOTOS e nem te digo mais o que no falecido e ressuscitado por mim, ORKUT.
    Minha avó tinha seu dom...
    Publicou vários livros...
    Direitos autorais entendo desde pequenininha.
    Bem, voltando a falar do plágio dessa minha amiga, tomei as dores.
    Doeu em mim.
    Fiz o que achei correto. Pois é difícil demais as pessoas entenderem o que são as coisas que quem escrevem pra seus autores. Comparei como um filho. Não sei... sinto assim.
    E essa amiga, qualquer texto dela, jogado ao Sr Google, aparecem milhares com uma modificadinha alí outra aqui.
    SENSIBILITADE. ALMA DE POETA. Isso é um dom dado a vcs.
    Quando violados, dói a alma. A dor que nenhum remédio acalma.
    Recorri a um amigo, tbem escritor, para ajudar a entender e realmente tomar uma atitude.
    Bem...
    não vai ser a primeira nem a última vez que acontecerá isso.
    Mas é sim falta de Respeito, Sensibilidade de quem faz em não pensar que um dom não se é tirado assim com um ctrlC + ctrlv da vida.
    Quem escreve, escreve sobre sua vida. Eu pelo menos, nos pequenos textos que escrevo, faço isso (coisa que não tenho feito mais em sites de relacionamento por ter sido ferida cruelmente sobre isso, só escrevo em meu canto fechado, pra mim.)
    Não se chateie... sei que é difícil não fazer isso, mas a SUA HISTÒRIA que vc coloca aqui pra compartilhar com a gente, que te lê. suas coisas lindas, poesias, músicas, são suas, podem te tirar tudo na vida mas isso, esse dom de fazer bonito com as palavras, foi dado a você! É a sua história...
    E se existe uma coisa que podem tentar o quanto quiserem, mas nunca te tirarão, é SUA HISTÓRIA!
    Que textos lindos brotem de sua alma, pra aliviar a nossa!

    ResponderExcluir
  21. já me aconteceu ler textos meus noutros blogs, fico muito triste, mas idem, é a vida!
    boa sorte colega!

    ResponderExcluir